VANESSA DA MATA APRESENTA NOVO TRABALHO EM BH

VANESSA DA MATA APRESENTA NOVO TRABALHO EM BH

*Por Thiago Prata

Vanessa da Mata é punk! Assustou com essa frase? Pois saiba que há um fundo de verdade nela. Não na musicalidade, distante do gênero praticado por bandas como The Exploited e Cólera. Mas sim na atitude, evidenciada no discurso – com letras românticas misturando-se a um tom engajado na valorização do feminino e críticas sociais –, e seguindo à risca o lema “faça você mesmo” – a mato-grossense assina a produção de seu sétimo álbum, “Quando Deixamos Nossos Beijos na Esquina”, lançado em 31 de maio deste ano, além de ser a responsável pela direção artística e a cenografia na atual turnê, que passa por Belo Horizonte, nesta sexta-feira (28), no Palácio das Artes, às 21h.

“O cenário do show ilustra o superfeminino, a estrutura feminina de criação, da maternidade, o super coração que é esse feminino, essa exposição do ‘beijo na esquina’. Tenho esse meu lado artístico (cenário) desenvolvido há um tempo, algo que sempre funcionou, assim como foi no meu primeiro DVD”, destaca a cantora, em entrevista ao Portal BH Cult.

Composto por 11 canções, “Quando Deixamos Nosso Beijos na Esquina” é o sucessor de “Segue o Som” (2014). “Este novo disco tenta tocar as pessoas, as que parecem estar mortas no sentido afetuoso ou secas no sentido de tato e humano. Nossa geração não se ama mais. Há falta de empatia. As pessoas não amam pessoas diferentes”, comenta Vanessa.

Nesse anseio em querer aquecer o coração dos brasileiros, a “afilhada” de Maria Bethânia e Chico César conta com o reforço de outro “punk”, o rapper baiano Baco Exu do Blues – que #ficadica lançou um discaço no ano passado, “Bluesman” – na faixa “Tenha Dó de Mim”.

“A parceria com o Baco Exu foi extremamente espontânea. Gosto muito do show dele e do rap nacional, de pessoas como o Baco e o Emicida. Adoro o discurso do Baco, algo similar ao que o rock fazia nos anos 80, com aquelas letras de protesto. E as pessoas deveriam ser melhor tratadas no país, deveria haver um investimento melhor vindo do Governo… Senão, seremos sempre sub do sub do sub… Ou se investe em nossas vidas ou ficaremos sempre para trás. Falando do Baco, ele aceitou o convite e acrescentou a parte masculina, a qual gostei muito”, conta ela.

O sétimo filho
Segundo Vanessa, o processo de composição do mais recente trabalho “não demorou quase nada”.

“Faço alguns pedaços de melodias. Tenho ideias que surgem separadamente (umas das outras). E a partir do momento que tenho uma melodia com um bom potencial de ser uma boa música, termino a canção no estúdio. E terminava a letra”, relata.

Futuro
Vanessa da Mata está empenhada em “continuar a turnê por até um ano ou um ano e meio”. No mínimo, diga-se de passagem! Ou seja, não há qualquer previsão para um próximo trabalho de estúdio.

“É impossível lançar outras coisas porque existe um tempo de feitura. Vejo muita gente lançando vários videoclipes e músicas… Tenho minha concepção e fico com ela. Não tiro férias há muitos anos, porque quando vou tirar férias, já estou compondo para outro trabalho”, diz. Bem punk, não é mesmo?

Anote!

Vanessa da Mata em Belo Horizonte
Data: 28 de junho ( sexta-feira)
Horário: 21h
Local: Grande Teatro do Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro)
Preços dos ingressos:
Plateia I: R$ 160 inteira / R$ 80 meia-entrada
Plateia II: R$ 140 inteira / R$ 70 meia-entrada
Plateia Superior: R$ 120 inteira / R$ 60 meia-entrada

*Thiago Prata é repórter especial do BH Cult

Categorias
Música
Comente pelo Facebook

RELACIONADOS POR