OOP: 20 ANOS DE DEDICAÇÃO E AMOR À MÚSICA

OOP: 20 ANOS DE DEDICAÇÃO E AMOR À MÚSICA

Orquestra Ouro Preto comemora aniversário com show especial nesta sexta, 21
Cred. IrisZanetti

A nossa querida Orquestra Ouro Preto está completando 20 anos e, para celebrar esta data, vai fazer um show ao vivo nesta sexta, 21 de agosto, às 20h30, direto do palco do Sesc Palladium, transmitido pelo canal deles no You Tube.

Do rock orquestrado dos Beatles, passando pela beleza da musicalidade mineira de Fernando Brant e Milton Nascimento, os sucessos de Valencianas, aos clássicos do cinema e muito mais: um concerto para fazer jus à grandeza que essas duas décadas representam.

“Vamos fazer um passeio pela nossa discografia. Será a primeira vez que vamos apresentar no mesmo concerto um repertório que abrange vários projetos da nossa trajetória de duas décadas. É uma live para celebrar e mostrar a versatilidade do nosso repertório”, comenta o Maestro Rodrigo Toffolo.

CUIDADOS
Para a realização e a segurança dos envolvidos na live, a Orquestra contratou o médico infectologista dr. Aílton Alves Júnior que desenvolveu um protocolo específico para uma apresentação de orquestra, de acordo com as normas da Organização Mundial de Saúde (OMS), garantindo que todos os cuidados sanitários sejam adotados. A equipe envolvida no projeto é reduzida, todos os profissionais terão a temperatura aferida, frascos de álcool em gel estarão disponíveis, além de máscaras e o distanciamento correto no palco entre os músicos. “A Orquestra seguirá um rigoroso protocolo técnico de segurança sanitária específico para o evento que vai permitir que toda a equipe e os músicos possam desempenhar o trabalho com toda segurança transformando a música em pílulas de esperança no processo de resgate de promoção da saúde”, destacou dr. Aílton.

SOLIDARIEDADE
A live terá também uma parceria especial: o público de casa poderá contribuir com o Mesa Brasil Sesc, um programa nacional de segurança alimentar e nutricional que distribui alimentos para famílias carentes, dedicado ao combate à fome e ao desperdício. Para mais informações, acesse: http://www.orquestraouropreto.com.br.

Cred IrisZanetti

Conversamos com o mastro Rodrigo Toffolo sobre os 20 anos da Orquestra e você confere esse papo a partir de agora:

BH Cult: 20 anos de OOP. O que esse número representa?
Maestro Rodrigo Toffolo: 
Uma história construída pelo esforço de um coletivo apaixonado pela música e pelo poder transformador da cultura para uma sociedade. Alegrias, frustrações, desânimos e momentos de júbilo – como a vida, não é?

BHC: Qual o balanço que faz dessas duas décadas de trabalho?
Maestro:
Nessas duas décadas fomos capazes de fazer da Orquestra Ouro Preto uma marca na qual as pessoas têm um carinho especial, uma marca forte que contém valores próprios. Gravamos CDs e DVDs, instauramos uma Academia para jovens talentos de 18 a 28 anos e um Núcleo de Apoio a Bandas, que valoriza as corporações musicais que são patrimônio de Minas. Tudo isso com apoio de empresas parceiras que possuem em sua alma o amor pela cultura brasileira e a certeza da música como fonte transformadora de gerações, no plural mesmo!

BHC: Qual(s) os projetos mais marcantes até hoje?
Maestro:
Vários projetos da Orquestra Ouro Preto deixaram sua marca em todos nós. Valencianas é um marco que colocou em outro patamar o olhar de todos sobre o encontro entre os mundos da música erudita e da música popular. O Pequeno Príncipe encantou diversas gerações. Cada concerto tem uma alma própria e uma história desde seu pensamento até o primeiro ensaio.

BHC: De lá pra cá, o que mudou na OOP?
Maestro:
No nosso modo de ver a música e de encarar nosso público, nada mudou. Ainda temos em mente os mesmos pilares de nossa reunião inicial. Quanto ao projeto em si muita coisa tem mudado. A Orquestra Ouro Preto, a Academia Jovem da Orquestra e nosso Núcleo de Apoio as Bandas estão a cada vez mais fortes e com um número cada vez maior de alunos e colaboradores. O projeto cresce, a cada dia, de forma responsável e eficiente para chegar a todos que veem na Orquestra um modelo de instituição.

BHC: Como você definiria o trabalho que fazem na OOP?
Maestro:
Nosso trabalho vem seguindo o mote que foi proposto desde nossa formação: pautado por repertórios de excelência e versatilidade. Somos uma orquestra de vanguarda que atua também muito além da música, renovando a cada dia nossa missão educacional e social.

BHC: Tem números de consertos, músicos, cidades já visitadas, projetos, etc???? Um balanço numérico dos 20 anos?
Maestro:
Nossa, os números são impressionantes e nos deixam felizes: estivemos presentes em 20 estados e no Distrito Federal, fizemos mais de 896 concertos. Nossos números virtuais passam de 30 milhões de visualizações no YouTube – levando em conta vários canais – e somamos mais de 12 milhões de audições totais no Spotify – além de números fantásticos de alcance no Facebook e Instagram.

Cred IrisZanetti

LANÇAMENTOS ONLINE

Em consequência do espalhamento acelerado do Covid-19, desde o mês de março, os músicos, o maestro e demais funcionários da Orquestra se uniram a um esforço coletivo para manter as atividades virtuais. O público tem recebido, pelas redes sociais e aplicativos de streaming, concertos inéditos que foram resgatados, os lançamentos previstos para a Temporada 2020 e novos arranjos feitos especialmente para a quarentena.

No mês de julho, foi lançado em todas as plataformas digitais, o álbum Orquestra Ouro Preto – The Beatles Vol. 2. “Esse é um trabalho muito importante na nossa história e vem corroborar com todo o experimentalismo que a Orquestra tem. É uma oportunidade para as pessoas que estão em isolamento social de encontrarem na música um afago”, destaca Toffolo.

O lançamento da versão em DVD está previsto para o fim deste ano com os vídeos vencedores do Prêmio Orquestra Ouro Preto The Beatles. Com patrocínio da Vale, SulAmérica e AngloGold Anshanti, o concurso foi criado para fomentar o setor de audiovisual e distribuiu R﹩50 mil para os ganhadores. Foram recebidas quase 200 propostas de vídeos de todo o Brasil.

Outra novidade é a parceria de sucesso entre o cantor e compositor Alceu Valença e a Orquestra Ouro Preto, que reuniu multidões em shows pelo Brasil e Portugal e ganhou uma nova versão durante a quarentena. É o projeto Valencianas em Casa que ousa levar a beleza da musicalidade mineira e pernambucana para o público, em casa, dividido em três atos.

Patrocinado pela Rede – uma empresa Itaú, o lançamento do primeiro capítulo foi no mês de junho, com a canção “Tomara”, versos escritos há 30 anos, que jamais soaram tão urgentes e atuais quanto neste atribulado 2020. De casa e isolados, o Maestro Rodrigo Toffolo, Alceu Valença e os músicos da Orquestra convidam o público para cantar juntos esse hino de esperança: “Tomara Meu Deus Tomara / que tudo o que nos separa / não frutifique e não valha”.

AULAS DE MÚSICA ONLINE

Outra vertente do grupo é a Academia Orquestra Ouro Preto, projeto socioeducacional que foi mantido e ampliado. Criada em 2019, com patrocínio da SulAmérica, a Academia surgiu com a proposta de aperfeiçoar e lapidar o talento de jovens violinistas, violistas, violoncelistas, contrabaixistas e percussionistas. “São músicos já iniciados, mas que encontram uma série de obstáculos para dar prosseguimento ao sonho de se tornarem profissionais, sobretudo, devido ao alto custo dos investimentos”, explica Toffolo.

Durante a pandemia, foi desenvolvido um sistema próprio de ensino a distância para os alunos continuarem seus estudos. Eles gravam o material mandam para os instrutores e eles retornam com as avaliações. “As bolsas continuam sendo pagas e esse contato tão rico entre alunos e instrutores têm permanecido”, afirma o maestro.

No mês de junho o projeto ampliou suas vagas dando mais oportunidade para jovens que estavam desempregados no período da quarentena. “São 14 oportunidades, 14 novos sorrisos, 14 pequenos milagres”. É assim que o maestro define os novos integrantes da Academia. O projeto que começou com 28 alunos e, agora, conta com 42, todos bolsistas.

Categorias
Música
Comente pelo Facebook

RELACIONADOS POR