MÚSICA ORQUESTRADA A SERVIÇO DO ROCK

MÚSICA ORQUESTRADA A SERVIÇO DO ROCK

Liderado por Rodrigo Garcia, do Cartoon, Rockin’ Strings lança sua “Primeira Arcada”
Crédito Carlos Reinesch

*Por Thiago Prata

Com boas doses de humor, evidenciadas pelas gargalhadas do outro lado do telefone, o multi-instrumentista Rodrigo Garcia atende à ligação da reportagem do BH Cult às 13h (no prego), na última terça (23). “Caramba, ligou na hora exata. Gosto disso, dessa precisão”, diverte-se o músico, figura conhecida no cenário do rock mineiro pelo trabalho desempenhado no Cartoon e na Orquestra Mineira de Rock e que acaba de lançar o debute de mais uma de suas empreitadas, o Rockin’ Strings. E neste primeiro trabalho do quarteto de cordas (que conta ainda com um baterista), intitulado “First Bow”, ele deixa evidente – ao lado de seus “comparsas” – que sua admiração pela cultura made in Inglaterra vai muito além da “pontualidade britânica”.

Com a proposta de propagar a música popular, principalmente o rock clássico, por meio de arranjos de instrumentos de corda – comumente vistos e ouvidos em orquestras –, o Rockin’ Strings dedicou seis homenagens a ícones da terra da Rainha em seu trabalho de estreia. As outras duas faixas presentes no play são composições próprias.

No tracklist, novas roupagens para clássicos de Beatles (“Oh! Darling”), Rolling Stones (“As Tears Go By/Ruby Tuesday”), Queen (“Crazy Little Thing Called Love”), Led Zeppelin (“Kashmir”), Deep Purple (“Highway Star”) e Black Sabbath (“Sabbath Bloody Sabbath”), todas elas regadas a violinos, viola, violoncelo, bateria e percussão, em um som totalmente instrumental.

“Quando montamos o grupo, há três anos, tínhamos o plano de fazer coisas autorais e gravar discos. Optamos por gravar esse álbum como uma forma de registrar esse primeiro momento, essa primeira fase do Rockin’ Strings. Para escolher o repertório do disco, optamos por músicas que gostamos e que o público também curte”, ressalta Khykho, como também é conhecido.

“A Highway Star tem uma linha de violino (que reproduz as melodias vocais de Ian Gillan) que impressiona. Queríamos fazer essas releituras de Queen, algo de Black Sabbath, e para quem é beatlemaníaco, como eu (risos), não poderia ficar de fora uma dos Fab Four”, completa.

Metal orquestrado

Uma música como “Kashmir” pode soar como uma “escolha óbvia”, uma vez que Khykho está habituado a tocá-la com a Orquestra Mineira de Rock – embora a linha de trabalho seja diferente da versão do Rockin’ Strings. O mesmo não se pode dizer com relação a “Sabbath Bloody Sabbath”, talvez a maior surpresa do tracklist. Em ambas as situações, o resultado é extremamente positivo.

“Tivemos um carinho para fazê-la (referindo-se à música do Sabbath). É uma canção muito pesada e mostra que somos capazes de fazer um som tão pesado quanto uma banda de rock. Tivemos outras músicas na manga que poderiam ter entrado, como ‘Perry Mason’, do Ozzy, mas que podem estar em uma futura gravação”, destaca.

Brincadeira

Na hora de decidir o nome do álbum, Khykho (violoncelo), Thiago Mello (violino), Samuel Gomide (violino) e Rômulo Salobreña (viola) – acompanhados pelo baterista e percussionista Flávio Freitas – optaram por um “trocadilho infame”.

“A última música do disco se chama ‘Last Bow’, que é algo como a ‘última arcada’, o último movimento do arco. Poderia ser o título do álbum, mas aí pensamos: ‘qual o sentido de usar o termo última arcada no nosso primeiro disco?’ (risos). Aí veio a ideia de chamar o álbum de ‘First Bow’, que é a ‘primeira arcada’. Coisa de músico (risos)”, relata o violoncelista. A outra música autoral se chama “Potter’s Field”.

Crédito Carlos Reinesch

Gravação

Houve alguns desafios na gestação deste primeiro rebento, concebido em meio a horários “espremidos” de agenda, o que não diminuiu o impacto e a qualidade sonora.

“Todos os integrantes têm muitos projetos. No fim do primeiro semestre de 2017, gravamos as baterias, e somente em 2018 foi que registramos as cordas. Nesse período, eu estava lançando o novo disco do Cartoon (“V”, de 2017), meu livro (“Até a Arcada Final”, de 2018), participei do disco solo do Khadhu Capanema (“Inverno Mineiro”, de 2018)… Isso atrasou demais a gravação do nossos disco. E já deixamos como promessa tentar lançar um disco a cada dois anos (risos)”, afirma.

Lançamento

O Rockin´Strings sobe ao palco do Teatro do Centro Cultural Minas Tênis Clube no dia 9 de maio, às 21h, para apresentar as músicas de seu primeiro disco e algumas surpresas, com a presença de convidados especiais.

“Teremos o Renato Caetano, que toca viola caipira e é um excelente músico. Ele e o Khadhu devem participar de uma música, a ‘Stairway to Heaven’ (do Led Zeppelin) com o Khadhu cantando. E também convidamos o grupo Taverna, que toca música celta e irlandesa, e fará uma participação em ‘Scarborough Fair’, uma canção folclórica e que já foi gravada por muita gente como Simon & Garfunkel. Será um concerto muito especial”, resume Khykho.

Anote!

Lançamento First Bow – Rockin´Strings
Data: 9 de maio, quinta-feira
Horário: 21h
Local: Centro Cultural Minas Tênis Clube
(Rua da Bahia, 2244, Lourdes)
Ingressos: R$30 (inteira) e R$15 (meia entrada)
Vendas: na bilheteria do teatro ou pelo site Eventim

Fotos: Carlos Reinesch

Categorias
Música
Comente pelo Facebook

RELACIONADOS POR