HAPPY BDAY, MACCA! - %%%%

HAPPY BDAY, MACCA!

Quando nasci, em 1980, os Beatles tinham acabado há uma década, e Paul Maccartney lançado 10 discos em sua carreira solo e com a banda Wings. Dei sorte de...

63b6e6af19c0849143a0c8480bddc541Quando nasci, em 1980, os Beatles tinham acabado há uma década, e Paul Maccartney lançado 10 discos em sua carreira solo e com a banda Wings. Dei sorte de crescer numa casa onde sempre se ouviu música boa, muito boa. Então me lembro, desde pequena, de ouvir os clássicos dos FabFour. Acho que foi uma das primeiras referências musicais da minha infância, que trago até hoje.

Eu amo os Beatles, e  tudo que eles fizeram e representam para a música mundial. Mas, entre eles, sempre tive o meu preferido: Paul Maccartney! Gosto do jeito dele, da simpatia, da educação, da animação, da voz, das letras, das canções, do engajamento, enfim, amo tudo nele. E, como hoje é seu aniversário, resolvi fazer esta singela homenagem.

Paul nasceu em 18 de junho de 1942, em Liverpool, portanto hoje comemora 74 anos. São muitos álbuns lançados, grandes hits emplacados, músicas a se perder de vista. Todo mundo tem, na ponta da língua, uma música dele que goste ou se identifique.

Para comemorar essa data tão especial, convoquei alguns amigos beatlemaníacos para eleger as melhores músicas do Macca, e explicar porque elas se tornaram tão especiais pra eles. Vamos lá:

Bernardo Cançado (social media e meu companheiro de tudo que tem a ver com os Beatles)

“Pra mim é muito ingrato falar uma música só. Mas Mull of Kintyre tem estado na minha cabeça nas últimas semanas. É uma homenagem do Paul a uma propriedade que ele tinha em Kintyre, na Escócia e representa muito pra ele, que acabou criando um carinho grande por esse lugar. É uma música, com uma forte presença da gaita de fole, que é um instrumento diferenciado para o rock n´roll. É muito marcante, um com melodia muito bonita, uma letra legal e toda vez que escuto, me arrepio, toda vez!
https://www.youtube.com/watch?v=AcZVRiB9AQk


Sarah Passos (sabe TUDO dos Beatles, já esteve em Liverpool, viu num sei quantos mil shows do Paul e esteve no Concert for George, que reuniu Paul, Ringo, Eric Clapton e grandes nomes do rock em uma homenagem a George Harrison)

“Eu tenho lembranças sonoras dos discos de vinil dos meu pais. Digo lembranças sonoras porque não sei quando, não sei onde, mas sei que já ouvi muito Simon & Garfunkel, Creedence, essas coisas sabe? Um desses foi o “All the best” do Paul. Lembro, muito criança, de gostar muito dos desenhinhos de instrumentos na capa. Os anos passaram, meus pais pararam de ouvir beatles, eu parei de ouvir vinil e não lembrei mais disso. Com os anos, vieram a língua inglesa e o desejo de ouvir Beatles por conta própria. Eis que um dia qualquer, tocou “Another Day” no rádio e tive uma enorme sensação de familiaridade… Fui buscar a melodia, a música, a letra e me identifiquei profundamente. ´So sad, so sad, sometimes she feels so sad..´ Passou a ser uma das minhas músicas preferidas. Estava a ouvindo uma vez, quando a minha mãe me disse que eu cantava essa música quando tinha um pouco mais de três anos. Perguntei como isso era possível; ela me mostrou um vídeo no qual aquele vinil do All The Best estava tocando a todo volume na casa, e ela entra no meu quarto com a câmera. Eu estava de pé no berço cantarolando junto com o Paul. Em 2013, ele veio a Belo Horizonte. O famigerado Facebook me lembrou que no dia anterior ao show eu postei: “Sei que ele não vai tocar, mas essa era a que eu queria ver ao vivo” e postei Another Day. Sabia que ele não ia tocar porque a última vez que ele havia tocado essa música ao vivo havia sido em 1993, vinte anos antes. Fui ao show esperando “apenas” o maravilhoso show que já havia visto outras vezes… Quando eu menos espero, na voz dele, a música que eu sempre tive certeza que nunca ouviria ao vivo. NUNCA. A música que me lembra de uma época doce e traduz uma melancolia minha que sou incapaz de colocar em palavras. De repente, ele, ELE, Paul McCartney, começa: “Everyday she takes a morning bath, she wets her hair…”. Meus olhos se encheram d’água, os soluços sobiram à garganta e as mãos tremeram. Eu chorei, eu cantei e eu agradeci por ter visto a primeira vez que Another Day voltou aos palcos vinte anos depois”.
https://www.youtube.com/watch?v=hFzEA7ZAfZQ

Cristiano Erse (advogado, professor universitário e músico)

“É tarefa insana escolher uma única canção dele. Faço uma opção sentimental por Blackbird… Uma canção em que você encontra Paul na sua essência mais simples e genial… Voz, violão e alguma percussão com os pés… Mais do que suficiente pra nos emocionar a cada acorde… Sem dúvida, uma obra prima.”
https://www.youtube.com/watch?v=ZxYU2jnEzBY

 

 

 

Rejane Ayres (jornalista)

“Demorei mais de vinte anos para admitir que Paul é único. Uma música?  Silly Love Songs. Escolhi essa faixa porque me deixava feliz quando era criança. Lembrar, cantar e ouvir essa canção é puro saudosismo.
https://www.youtube.com/watch?v=2_9QooYDYtU

 

Raphael Caetano (super fã dos Beatles, assíduo frequentador das “domingueiras de Hocus Pocus” no Jack Rock Bar)

“Escolho Maybe I’m a amazed. Pra mim, traduz fielmente a dificuldade da maioria dos homens em reconhecer, entender ou mesmo aceitar o amor que uma mulher tem pra dar. Essa música já foi background de várias desventuras e aventuras amorosas da minha vida, e, em cada uma delas, a letra cabia insuportavelmente bem”.
https://www.youtube.com/watch?v=DNh5Ca1dIXM

 

 

Aggeu Marques (cantor e compositor mineiro, idealizador da BH Beatle Week)

“Quase todas as canções do Paul Maccartney me dão motivo de arrepio. Isso vai muito de acordo com a época em que ouvi, então cada uma tem uma simbologia especial. Se eu fosse falar alguma coisa da época junto com os Beatles, seria The Long and Winding Roa

 

 

Eu

“Realmente, é muito difícil escolher apenas uma música diante de uma carreira tão repleta de grandes sucessos. Sem contar, que música tem muito a ver com estado de espírito, a fase que você está vivendo, então, em cada época da vida, você pode ter uma preferida. A minha, sem dúvida nenhuma, é My Love.  Desde a primeira vez que ouvi, me emocionei muito. Acho a letra linda, a melodia linda, e é uma declaração de amor das mais incríveis, do Paul para Linda, sua primeira esposa. Foi a faixa de maior sucesso do disco Rose Speedway (1973)”.
https://www.youtube.com/watch?v=VpXJUnpRxO4

Em 2013, quando Paul “veio falar Uai”, mesmo depois de estar com o ingresso na mão, custava a acreditar que EU teria a chance de vê-lo ao vivo e em cores. Quando os primeiros acordes de Eight Days a Week começaram a ecoar no Mineirão, fui tomada por uma onda de emoções diferentes: felicidade, nervosismo, amor, surpresa, enfim… Eu só conseguia pensar: “Meu deus, eu estou vendo o Paul ao vivo. Um Beatle ao vivo. “Foi, sem sombra de dúvidas, o show mais foda da minha vida. Chega a ser difícil descrever com palavras o que vi e ouvi naquele dia. Uma emoção sem igual!

Então, só nos resta desejar toda felicidade do mundo pra quem, com suas músicas, vem alegrando e tornando nossa vida melhor. Parabéns, Macca!!! We love you! ♥

A Rock Master fez um programa totalmente dedicado ao aniversário do Paul, e ficou tudo muito massa! Confere aí:
https://www.mixcloud.com/rockmasterbh/rock-master-160616/

 

Categorias
Música
Comente pelo Facebook

RELACIONADOS POR