CINE HUMBERTO MAURO APRESENTA MOSTRA GLAUBER ROCHA

GRÁTIS: CINE HUMBERTO MAURO APRESENTA MOSTRA GLAUBER ROCHA

Todas as sessões serão gratuitas e comentadas pelo crítico e pesquisador Matheus Araújo

Glauber Rocha é o destaque da programação de dezembro do Cine Humberto Mauro, que de 7 a 23 de dezembro apresenta a mostra gratuita Kynoperzpektyva 18, um mergulho no universo do cineasta cuja filmografia promove discussões sobre as questões sociais, políticas e culturais do país.

Kynoperzpektyva 18 faz alusão à proposta de uma mostra dedicada a Glauber Rocha, planejada pela Cinemateca Portuguesa no período em que o diretor residia em Sintra, vila na região metropolitana de Portugal. O nome original era Kynoperzpektyva 81, devido ao ano que foi idealizada (1981 – o mesmo da morte de Glauber). A inversão dos números coube à Gerencia do CHM, que adaptou para o ano corrente, 2018.

A mostra conta com 17 filmes de Glauber, sendo destaque os longas Barravento (1961), na qual um homem volta na pequena aldeia de pescadores em que foi criado para tentar livrar o povo do domínio da religião; Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), clássico do cineasta indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes, que narra o cotidiano sofrido de um sertanejo que, ao lado de sua esposa, é castigado pela seca e pela exploração; e Terra em Transe (1967), vencedor do prêmio FIPRESCI no Festival de Cannes, que retrata a rotina em Eldorado, cidade fictícia na qual o poeta e jornalista Paulo Martins, à beira da morte, rememora sua participação em lutas políticas.

O Dragão da Maldade

A programação continua com O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (1969), longa que rendeu ao cineasta o prêmio de melhor diretor em Cannes. O filme é conhecido internacionalmente como “Antonio das Mortes”, nome do protagonista, e mistura de forma alegórica a literatura de cordel e a ópera, explorando os ritos folclóricos da população nordestina. Cabeças Cortadas (1970), filme no qual Glauber explora o delírio e o poder do homem, O Leão de Sete Cabeças (1970), que narra a história de união entre o guerrilheiro latino-americano Pablo e o líder negro Zumbi para libertar o continente africano dos colonizadores, e Câncer (1972), um retrato do Rio de Janeiro pelos olhos de um típico “malandro carioca”, também compõem a mostra.

Claro

Os longas continuam com História do Brasil (1974), filmado em Cuba e na Itália durante o exílio do diretor, e finalizado em Paris em 1974. O filme é definido como um “cinejornal histórico” do Brasil, e reúne trechos de obras ficcionais, documentários e fotografias, em uma interpretação dialética da vida brasileira. Claro (1975), inteiramente rodado em Roma, também mistura documentário, ensaio e performance, e estará presente na mostra juntamente com As Armas e o Povo (1975), o mais famoso filme da Revolução dos Cravos, produzido em Portugal e assinado pelo Coletivo de Trabalhadores da Atividade Cinematográfica em parceria com o diretor. As exibições ainda contam com os longas Jorjamado no Cinema (1977)A Idade da Terra (1980)Pátio (1959).

Amazonas, Amazonas (1966), primeiro filme em cores de Glauber sobre as belezas e riquezas naturais da região Amazônica, é um dos destaques na programação de curtas, que conta ainda com Maranhão 66 (1966), um retrato da posse de José Sarney, então governador do Estado do Maranhão, dois anos após o Golpe Militar de 1964; 1968 (1968), documentário inacabado realizado pelo diretor ao lado do fotógrafo Affonso Beato; A vida é estranha (2015), longa com imagens em Super 8 feitas por Glauber durante uma viagem para a cidade de Essaouira, no Marrocos; e A Viagem Glauber (2014), filmado pelo diretor de Fermín Sales enquanto Glauber produzia Cabeças Cortadas, na Espanha.

Sessões diálogo
O evento contará com seis sessões diálogo, nas quais um filme que dialoga com a obra de Glauber Rocha será exibido, seguido de bate-papo com a plateia comandado pelo pesquisador e crítico cinematográfico Matheus Araújo. São eles: Os Ambiciosos (1959), do diretor Luis Buñuel, Que Viva México! (1979), de Sergei M. Eisenstein, A Viagem de Niklashauser (1970), de Rainer Werner Fassbinder e Michael Fengler,Humano Não Humano (1969), de Mario Schifano, O Vento do Leste (1970), de Groupe Dziga Vertov, Jean-Luc Godard, Jean-Pierre Gorin e Gérard Martin e uma sessão de curtas dirigidos por Jean Rouch.

Anote!

MOSTRA GLAUBER ROCHA – KYNOPERZPEKTYVA 18
Local: Cine Humberto Mauro – Palácio das Artes
Endereço: Av. Afonso Pena, 1.537
Período: 7 a 23 de dezembro de 2018
Entrada gratuita com retirada de ingressos uma hora antes de cada sessão
Informações para o público: (31) 3236-7400
Programação completa aqui

Categorias
ETC...
Comente pelo Facebook

RELACIONADOS POR