BANDA MOLE COMEMORA 45 ANOS COM DESFILE ESPECIAL

BANDA MOLE COMEMORA 45 ANOS COM DESFILE ESPECIAL

Principais Blocos de Carnaval da cidade participam da festa do pré mais famoso e animado de BH
Crédito Vinícius Caricatte

Tradição e folia andam juntos quando o assunto é Banda Mole. A festividade pré-carnavalesca mais clássica e aguardada de BH comemora 45 anos com uma festa à altura de sua importância cultural.

Neste sábado, 15 de fevereiro, a partir das 13h, a Avenida Afonso Pena (entre a Rua da Bahia e Guajajaras) recebe mais uma vez o desfile – parte do calendário oficial do Carnaval de BH -, que vai contar com os principais blocos da cidade e DJs.

É um momento muito especial para o bloco, como afirmam os fundadores Jacaré (79 anos) e Gaiola (82). “A Banda Mole teve a percepção e a inteligência de acompanhar a evolução do carnaval, mesmo quando estava em baixa na cidade. Começamos como uma banda de chão, foi aumentando e aí mudamos para um caminhão de carroceria. Depois, o axé estourou e o incluímos no repertório. Passamos para um trio elétrico, trouxemos atrações de Salvador estouradas na época como Araketu, Luis Caldas, Pepeu Gomes… Colocamos o Jota Quest em cima de um trio pela primeira vez! Fomos adaptando nosso desfile de acordo com o que o publico queria escutar. Em 2020  vai ter axé, funk, sertanejo, sem perder, é claro, a tradição da Charanga do Bororó e das marchinhas de carnaval antigas, que foi como tudo começou”, conta Jacaré.

“Ficamos muito felizes com a amplitude que o carnaval de BH consquistou, porque estamos aqui desde o começo, somos precursores disso tudo”, comenta Gaiola.

Hoje um dos maiores do país, o Carnaval de BH vive um ótimo momento. “Podemos dizer que esse boom se deve, em parte, à Banda Mole que nunca desistiu da festa. Se a gente não tivesse continuado, mesmo na época em que não ficava quase ninguém aqui no carnaval, será que esse sucesso todo estaria acontecendo? As pessoas continuariam a vir pra cá?”, questiona Jacaré.

Crédito Vinícius Caricatte

Tema
Irreverência e críticas debochadas são marcas registradas da Banda Mole. Em 2020, eles escolheram como tema o “Desfile ImpreCionante”, numa alusão às mancadas do excelentíssimo Ministro da Educação, Abraham Weintraub.

“Não temos posição política, mas o governo atual tem dado muito comsbustível para podermos trabalhar nesse carnaval., Teremos um boneco representando o ministro,  segurando um guarda chuva, em alusão ao vídeo em que imita Fred Astaire, numa paródia ao filme Cantando na Chuva”, comenta Jacaré.

Além disso, haverá também um pedido oficial para que o ator Leonardo di Caprio pare de incendiar a Amazônia (ele foi acusado pelo presidente da república de, junto com ONGs, ser o responsável pelas queimadas criminosas na Floresta).

45 anos 

Tudo começou em 1975, quando o bloco carnavalesco “Leões da Lagoinha” chegou ao fim. Os foliões se juntaram com os filhos e netos das tradicionais famílias do bairro Lagoinha e fundaram a Banda Mole. Com homens travestidos de mulher e vice-versa, o Bloco abrigou por muitos anos o que, posteriormente, viria a ser um evento independente do movimento LGBTQ+.

O ponto forte da Banda Mole é, desde o início, um estado permanente de liberdade e de valorização da diversidade com muita animação, críticas políticas feitas com muita irreverência e música de primeira qualidade.

Segundo Gaiola, um dos desfiles mais marcantes foi quando trouxeram o Araketu para participar da festa em 1995. “Arrastamos 400 mil pessoas, foi uma loucura”.

Com 45 anos de história, boas lembranças é o que não falta. Jacaré recorda, por exemplo,  de um fato pitoresco que aconteceu com os homens que se vestiam de noiva no bloco. “Todo ano, quando subíamos a Rua da Bahia e passávamos em frente a Igreja de Lourdes – que recebia muitos casamentos -, os noivinhos começavam a chamar pelo padre, causando uma confusão só na igreja. O resultado foi que os padres pararam de celebrar casamentos no horário do nosso desfile”, relembra.

A expectativa para os 45 anos da Banda Mole é atrair cerca de 100 mil pessoas.

Crédito Vinícius Caricatte

Atrações

Para a festa de 45 anos, a Banda Mole convidou os blocos Então Brilha, Baianas Ozadas, Quando Come Se Lambuza, Funk You, Swing Safado, Pacato Cidadão e Batuque Coletivo. Vão rolar também DJ´s e as bandas Hiago Volponi e Sambacanna de Montes Claros.

Dois trios elétricos e um palco serão usados para animar o desfile, num total de 10 horas de música sem parar! O evento conta com equipe de segurança especializada, apoio da Polícia Militar e da Brigada de BH em pontos estratégicos na avenida, além de postos médicos e ambulâncias de prontidão para casos de emergência.

Confira a programação completa:

Trio Rivotrio
13h: Dj Vini Brown
13h30: Swingue Safado
15h30: Manu Rosa
17h: Desfile da Banda Mole (Avenida)
18h30: Bloco Quando come se Lambuza
20h: DJ Vini Brown
20h30: Funk You

Trio Tornado
13h: Gabinas
13h30: Sexta Ninguém Sabe
15h30: Batuque Coletivo
17h: Desfile da Banda Mole (Avenida)
18h30: Baianas Ozadas
20h: Gabinas
20h30: Então Brilha

Palco
13h: Zé da Guiomar
14h30: Hiago Volponi & Sambacanna
16h15: Charanga do Bororó
17h: Desfile da Banda Mole (Avenida)
18h30: Charanga do Bororó
20h: Pacato Cidadão

Anote!

Banda Mole 2020 – 45 anos de história
Data: 15 de fevereiro, sábado
Horário: 13h às 22h
Local: Avenida Afonso Pena, entre a Rua da Bahia e Guajajaras
Entrada gratuita 

Categorias
Música
Comente pelo Facebook

RELACIONADOS POR