AFFONSINHO APRESENTA SHOW PARA CELEBRAR A BOSSA NOVA E O TROPICALISMO

AFFONSINHO APRESENTA SHOW EM HOMENAGEM À BOSSA NOVA E AO TROPICALISMO

Músico se apresenta na IDEA Casa de Cultua no dia 26 de maio
Reprodução Facebook

Bossa&cália: este é o nome do novo show de Affonsinho Heliodoro, um projeto que celebra os 50 anos do Tropicalismo e os 60 da Bossa Nova, alguns dos principais movimentos artísticos e musicais do Brasil. A apresentação será no próximo sábado, dia 26, às 19h30, na IDEA Casa de Cultura.

Para isso, o músico selecionou alguns “hits” desses estilos, como do ano de 1968, data do lançamento do LP “Tropicália”, e criou arranjos misturando um pouco da batida de João Gilberto com harmonias de jazz moderno, pitadas de Clube da Esquina, além, é claro, do seu jeito especial e caraterístico de cantar.

“São dois movimentos que me influenciaram muito. A Bossa Nova eu ouvia por causa do meu pai e do meu irmão mais velho, que também me aplicou o Tropicalismo. Eu cresci ouvindo essas músicas e acabou fazendo parte da minha formação artística e musical”, explica Affonsinho.

Como o Tropicalismo era cheio de instrumentos e orquestrações, Affonsinho preferiu fazer o contrário: usar o minimalismo, mostrar a riqueza harmônica, melódica e poética das canções apenas com acordes  elegantes e interpretações diferenciadas.

Reprodução Facebok

“Resolvi fazer uma mistura, pegar as canções tropicalistas e tirar a roupagem psicodélica, essa mistura de tudo que era o movimento, e botar numa linguagem da bossa nova. O resultado foi muito legal, porque você passa a prestar atenção em coisas que não tinha notado nas canções, pequenos detalhes. Bob Tostes, meu amigo, por exemplo, depois de ouvir o material que enviei desse show, disse que a minha versão de 2001, cantada originalmente pelo Tom Zé, ficou mais melodiosa, que a letra ‘pintou’ mais, e isso me deixou muito feliz”, conta.

Algumas composições do cantor e compositor, influenciadas diretamente pela Bossa Nova e pelo Tropicalismo, também farão parte do show, que conta com a participação de Mariana Cavanellas. “Também escolhi músicas de artistas que, na época, foram claramente influenciados, como Roberto Carlos e Simonal”, explica o músico.

Além disso, o cantor diz que o público pode esperar uma surpresa em todas as músicas. “É muito legal você pegar arranjos já consagrados e transformá-los. 2001, por exemplo, que é um ‘caipira rock’, acabou virando um jaz modificado, completamente diferente. Fiz questão de fazer os arranjos completamente diferentes dos originais, mais harmoniosos, com interpretações diferentes”.

Mais de 50 anos após terem sido lançados, os dois movimentos continuam influenciando a música feita no país, segundo Affonsinho. “Quem procura fazer música de qualidade no país hoje, tem que passar por eles sem dúvida. A Bossa Nova, por exemplo, foi talvez a música popular mais chique feita no país, mais sofisticada que produzimos por aqui, respeitada inclusive nos Estados Unidos. O americano é muito exigente com relação ao que entra lá, e esse foi o único estilo brasileiro que conseguiu chegar no público americano, e não no brasileiro que morava lá. Tanto é que o Frank Sinatra quis gravar um disco com Tom Jobim”, diz.

“E o Tropicalismo veio por outra coisa, pra fazer uma revolução estética, segundo eles mesmos diziam. Pra misturar coisas modernistas, pegar tudo que tocava no Brasil na época e coisas que vinham de fora – como os Beatles, Jimi Hendrix, rock em geral -, e colocar num grande liquidificador musical, uma geleia geral brasileira”.

Imperdível, né? Então… Aqui dá pra ter um gostinho do que vamos ver no show:

Affonsinho Heliodoro em “Bossa&cália”
Data: 26 de maio de 2018, sábado
Horário: 19h30
Local: IDEA Casa de Cultura (Rua Bernardo Guimarães, 1200 – Funcionários)
Ingressos: R$20 (preço único)
Compre pelo Sympla
Informações: (31) 3309.1518

Categorias
Música
Comente pelo Facebook

RELACIONADOS POR